Santa Mônica: suas virtudes falavam de Deus

“Deu-me a vida temporal segundo a carne e, pelo coração, fez-me nascer para a vida eterna” (Confissões, L.IX,8,17). Estas palavras de Agostinho à sua querida mãe, Mônica, constituem uma belíssima confissão. A Igreja celebra neste dia, 27 de agosto, a feliz memória desta grande mulher de fé que teve fundamental importância no processo de conversãoContinuar lendo “Santa Mônica: suas virtudes falavam de Deus”

Apesar da fragilidade da minha fé…

RENASCER 2011: DEUS É A FELICIDADE! A Santa Missa do 1º dia do Renascer (Fortaleza) foi um momento no qual, de forma especial, todos nós pudemos mais intensamente suplicar a Deus pela nossa cura interior, seja espiritual ou psíquica, e também física. Antes da benção final o Santíssimo Sacramento passou entre os presentes no ginásioContinuar lendo “Apesar da fragilidade da minha fé…”

Insisto em voltar-me para o nascente

Eu também não saberia dizer o que nos leva além das palavras e mesmo dos gestos para que alguém se torne tão vivo dentro de nós, tão presente, tão construtivo. Nem mesmo poeta eu sou para traduzir essa dádiva divina e esse mistério. Quisera Deus eu tivesse um pouquinho do talento de Homero, de Dante,Continuar lendo “Insisto em voltar-me para o nascente”

Homem nenhum merece suas lágrimas…

Rossana Brasil Kopf  Na minha opinião, a decepção é o sentimento mais amargo que uma pessoa pode sofrer.  Ele só não fere mais que a tristeza. Aliás, a tristeza é o pior dos sentimentos. Primeiro porque o próprio nome a delata; e, segundo, porque se trata de um sentimento composto de ingredientes, o qual aContinuar lendo “Homem nenhum merece suas lágrimas…”

Infeliz do homem que, na dor, está sem fé!

Ao amanhecer disse Francisco: Que alívio! Escreve Irmão Leão: O clarear do dia é um beijo de Deus. Louvado sejas, meu Senhor, pelo amanhecer: é o fim das dores e tem aparência de esperança. Se não houvesse aurora, sucumbiríamos, sem dúvida, ao desespero. A noite é terrível. Porém, as dores de Francisco não foram aliviadas. Continuar lendo “Infeliz do homem que, na dor, está sem fé!”

O amor é grande demais para ser banalizado!

Não sei se você já viveu a experiência de ter que parar e dizer a si mesmo: “Puxa, como fui ingênuo por esta ou aquela opção!” De repente aquele arrependimento ou, talvez, aquela consciência esclarecida de que até fomos livres nas opções, mas que temos que refazer nosso caminho e história. O amor e aContinuar lendo “O amor é grande demais para ser banalizado!”