Desistir por causa de nossas fraquezas? Jamais!

A Liturgia da Palavra do Tempo do Advento é mesmo de grande providência divina para o que precisamos viver como Igreja, como Sociedade, mas, sobretudo, como pessoa batizada e católica. Falamos muito da necessidade da escuta da Palavra, que já é um milagre em nossos dias de muitas correrias e compromissos, mas quase sempre esquecemos que esta escuta deve implicar numa construção, a construção da casa da fé, da amizade com Deus, do testemunho de vida cristã e dos nossos projetos e escolhas vividos com honestidade e fidelidade, ainda que com passos lentos. Quando a escuta da Palavra não penetra, não enraíza, a casa é mal construída. Fica sem firmeza e vulnerável aos ventos. Uma casa construída na areia é sempre uma futura ruína.

Talvez você conheça a natureza da ruína como experiência pessoal, por isso sabe que se trata de uma profunda dor e sofrimento quando ela se torna realidade. Creio que nem todos que dizem: “Senhor, Senhor”, e sofrem com suas omissões e infidelidades, podem ser julgados como atores da banalidade. Deus conhece nossas lutas, a retidão e a nudez do nosso coração. Deus sabe que a queda pode ser evitada, mas estaremos sempre sujeitos a ela. O interessante é que o Evangelho nos pede “prudência”, e não nos impõe uma mudança da noite para o dia. Conversão não é mágica, é processo lento de mudança de vida. O que não podemos é nos acostumar com o que não tem consistência e futuro. Deus sabe que a construção da casa é também um processo, seja sobre a rocha, ou, infelizmente, sobre a areia. Por que a prudência? Porque ela é o sinalizador de quando devemos avançar ou retroceder, mudar ou desistir, recomeçar ou refazer. Sem prudência, sem aquele juízo de desconfiança de si mesmo, o pecado encontra terra fértil, e ele mesmo é o vento a derrubar a casa sem alicerce (cf. Mt 9,27-31).

Então, o que fazer? Desistir por causa de nossas fraquezas, de nossas feridas, de nosso retardamento no processo de conversão? Jamais! Isto também seria uma ruína, talvez a pior de todas. A resposta nós a encontramos de forma consoladora na própria Oração da Igreja neste Tempo de Advento, 1º de dezembro: “Despertai, ó Deus, o vosso poder e socorrei-nos com a vossa força, para que a vossa misericórdia apresse a salvação que nossos pecados retardam” (Oração do Dia). Vemos que não há espaço para a desistência de nós mesmos diante de nossas fraquezas, mas uma humilde súplica para que Deus nos ajude com sua graça. 

Antonio Marcos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: