É bela a amizade humana…


Dizia João Paulo II aos jovens: “Não tenhais medo queridos jovens, dos relacionamentos humanos, do acolher a vida do outro e do construir laços duradouros. É Cristo mesmo que nos ama através dos nossos verdadeiros amigos”.

Sabemos que existem os riscos próprios dos relacionamentos, tais como o egoísmo, a possessividade, o ciúmes doentio, a cobrança, a infidelidade aos segredos e o desrespeito com o coração e a pureza do outro. Não nos iludamos, a malícia está nos nossos corações, nos nossos olhos e pensamentos. Claro, isso não se trata de uma concepção paranóica ou de puritanismo, mas da verdade de que nossas faculdades e o nosso coração estão marcados pela debilidade desde quando o homem negou a Deus. O nosso Batismo nos devolveu outra vez a graça da filiação divina em Jesus Cristo, a força para caminharmos para a santidade e o domínio de si, mas não nos tirou a possibilidade de cometermos o pecado, de negarmos a Deus e de fazermos do outro instrumento de nosso prazer egoísta. Somos pessoas humanas e nossas fraquezas estão sempre diante de nós, mas temos o amor e a graça de Deus, por isso a santidade é sempre possível a começar das nossas relações humanas.

Despretensiosamente deve iniciar uma relação e assim deve permanecer. Aprendo sempre que o amor gratuito custa muito, especialmente no contexto de sociedade no qual nos encontramos. Também as relações de fraternidade e amizade necessitam sempre da “kenosys” (esvaziamento de si) para vivermos como nos ensina o Evangelho. Os conceitos não dizem tudo sobre as relações e é a experiência a melhor escola. É quando vivemos o compromisso de participarmos da vida de uma pessoa, seja homem ou mulher, é que temos que concretamente fazer uso do que está escrito na nossa consciência, e ainda do que aprendemos e do que intuímos segundo a caridade, o bem e a retidão de coração. A própria graça de Deus não é mágica, mas força  que transforma segundo a nossa abertura do coração e da fé.

Quantos de nós recordamos nos nossos descaminhos históricos as sombras, as rupturas, as dores e lágrimas, as renúncias e as coisas que se foram, embora não tenham se submetido à nossa vontade. Sabemos que logicamente o desamor e a carência geram o desamor e a carência, mas a vida dos que creem em Jesus Cristo, na força da sua cruz, no poder da sua graça, não pode ser um “determinismo Freudiano” onde tudo se encaixa na lógica e na razão cega, ou seja, quem sofreu a ausência do amor nunca pode amar. Isso não é verdade! Muitas das sequelas das nossas feridas são verdadeiros espinhos, mas não quer dizer que não podemos amar e sermos felizes, fazer os outros felizes. A Cruz nos mostrou que além “daquele maldito veredicto dos homens, Deus acolhia o Sim do seu Filho”. Da Cruz brotou a vida porque quem a abraçou o fez por amor ao Pai e aos homens.

Quase sempre os relacionamentos fraternos e a amizade passam pela cruz da purificação, do silêncio, da decepção, do abandono ou dos sentimentos contrários aos de Cristo, mas quando isso acontece e optamos pela vontade de Deus, ainda que nos faça sofrer por causa das renúncias, ele faz brotar em nós a paz e a certeza de que tudo o que Ele realiza em nós faz edificar os outros, gera frutos de vida e não de morte. A castidade é possível, mas é uma luta, exige o domínio de si e o auxílio da graça de Deus. A amizade não é uma “simples poesia” ou uma “fuga da solidão de não ter alguém”, a amizade é uma vocação, um dom de Deus.

Deus nos escolhe para participarmos da vida do outro e nos concede a missão de tornar esta vida mais de Deus, mais santa, mais feliz, não usurpando para si o que pertence a Deus e ao seu desígnio para a vida deste outro. É bela a amizade humana quando Deus é o centro da relação.

Antonio Marcos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: